quinta-feira, 16 de julho de 2015

Os revoltados


Enervam-me solenemente aquelas pessoas que passam a vida a dizer mal do país que temos e os recém-emigrados que gritam aos quartos ventos que na sua nova morada é que é bom e que no nosso Portugalzito é tudo uma valente bosta.  

Os primeiros, à mínima contrariedade soltam pérolas como "ah, só neste país miserável é que isto acontece, se fosse em X ou Y não era assim!“ Meus amigos, ide para X ou Y e deixai-nos em paz e livres dos vossos queixumes idiotas.  Ou então em vez de estarem sempre a queixarem-se e a fazer comparações idiotas, façam a vossa parte para mudar, nem que seja reclamar nos locais apropriados!

Os segundos, assim que acabam de emigrar, passam os dias a falar, a publicar nas redes sociais, que o novo país é que é bom, que fazem isto e aquilo e o outro e que em Portugal não tinha isto e não tinham aquilo. Entendo que estejam entusiasmados com a nova vida, que não saíram de Portugal de ânimo leve e acredito que o fizeram por necessidade, mas não podemos generalizar e lá por termos mudado de país não quer dizer que aqui só exista porcaria! Não quer dizer que os que cá ficam sejam todos burros ou encostados para continuar nesta treta, e é isso que nos fazem sentir com as vossas conversas e publicações.

Nada contra quem decide ir atrás de um futuro melhor, até aceito que haja pessoas desiludidas com os empregos (ou a falta deles), ou com a vida de um modo geral, mas a culpa é do país? Esses que se dizem tão injustiçados com o país nunca contribuíram para o estado em que ele está? Sempre foram cidadãos exemplares? Nunca fugiram a um imposto? Nunca adquiriram algum bem ou serviço sem factura? Sempre foram trabalhadores cumpridores? Nunca fizeram nenhuma trafulhice na vida? Pois meus amigos, são essas pequenas coisinhas que vão contribuindo para o estado da nação, lamento desiludir-vos!

Sem comentários: