quinta-feira, 16 de julho de 2015

Os revoltados


Enervam-me solenemente aquelas pessoas que passam a vida a dizer mal do país que temos e os recém-emigrados que gritam aos quartos ventos que na sua nova morada é que é bom e que no nosso Portugalzito é tudo uma valente bosta.  

Os primeiros, à mínima contrariedade soltam pérolas como "ah, só neste país miserável é que isto acontece, se fosse em X ou Y não era assim!“ Meus amigos, ide para X ou Y e deixai-nos em paz e livres dos vossos queixumes idiotas.  Ou então em vez de estarem sempre a queixarem-se e a fazer comparações idiotas, façam a vossa parte para mudar, nem que seja reclamar nos locais apropriados!

Os segundos, assim que acabam de emigrar, passam os dias a falar, a publicar nas redes sociais, que o novo país é que é bom, que fazem isto e aquilo e o outro e que em Portugal não tinha isto e não tinham aquilo. Entendo que estejam entusiasmados com a nova vida, que não saíram de Portugal de ânimo leve e acredito que o fizeram por necessidade, mas não podemos generalizar e lá por termos mudado de país não quer dizer que aqui só exista porcaria! Não quer dizer que os que cá ficam sejam todos burros ou encostados para continuar nesta treta, e é isso que nos fazem sentir com as vossas conversas e publicações.

Nada contra quem decide ir atrás de um futuro melhor, até aceito que haja pessoas desiludidas com os empregos (ou a falta deles), ou com a vida de um modo geral, mas a culpa é do país? Esses que se dizem tão injustiçados com o país nunca contribuíram para o estado em que ele está? Sempre foram cidadãos exemplares? Nunca fugiram a um imposto? Nunca adquiriram algum bem ou serviço sem factura? Sempre foram trabalhadores cumpridores? Nunca fizeram nenhuma trafulhice na vida? Pois meus amigos, são essas pequenas coisinhas que vão contribuindo para o estado da nação, lamento desiludir-vos!

terça-feira, 16 de junho de 2015

O Ressuscitar de um Blog II


Mais de 4 anos se passaram, muita coisa mudou, menos disponibilidade para escrever no blog mas o bichinho sempre aqui a dizer: “está na hora de ir lá e dar vida aquilo outra vez”.
Porque me faz bem, porque exercita o cérebro, porque é um escape da loucura do dia-a-dia, vou voltar! Não garanto que seja exactamente da mesma forma, porque mais de 4 anos se passaram e muita coisa mudou, mas alguma coisa há-de saír!

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Se pagar, pode pecar à vontade!

Não sou uma pessoa muito (ou mesmo nada) chegada à Igreja, mas respeito as crenças de cada um e, habitualmente, evito discussões ligadas à religião pois não quero ferir qualquer tipo de susceptibilidades. O que escrevo abaixo não pretende ofender ninguém, no entanto, pareceu-me um facto demasiado "interessante", para não ser comentado.

Hoje é sexta-feira Santa e, como é do conhecimento geral, os católicos não podem comer carne, pois é pecado. O que eu não sabia, e descobri ontem, é que se pagarmos a Bula ao Padre já podemos comer toda a carne que nos apetecer!

Ao que parece, este pagamento da Bula é extensível a outros pecados, ou seja, se me apetecer matar alguém, vou ao Padre, pago a Bula e já posso matar à vontade porque não sofrerei qualquer castigo divino. Resta saber se a Policia vai na mesma conversa!

Boa Páscoa! :)

quarta-feira, 21 de abril de 2010

Os pormenores que tornam algo especial (atenção que especial não é necessariamente bom… nem mau, é especial)

Como já é do conhecimento geral, na minha vida passam-se coisas que não lembram a ninguém. Há já algum tempo que não partilhava as pequenas pérolas que vão acontecendo e que fazem com que o meu dia seja muito mais divertido, por isso hoje aqui fica uma:

Ontem ligou-me a senhora da portaria, muito exaltada, porque tinham chegado três pessoas para mim e que ela não tinha sido avisada de nada. Segundo consta (embora nunca tal coisa me tenha sido dita) tenho que informar quando vou receber mais que uma pessoa! Como? Ok, quando é uma pessoa, não preciso dizer nada mas quando são duas ou mais já é preciso? Alguém me explica a lógica disto? Qual é a diferença entre chegar uma pessoa e pedir para falar comigo e chegarem três? São precisos reforços na portaria?

quarta-feira, 14 de abril de 2010

Pedro Boucherie Mendes - O supra-sumo da batata frita

Esta nota foi publicada por mim no Facebook já há uns tempos, mas achei q fazia todo o sentido coloca-la aqui também!


Comecei a ler uma entrevista do Pedro Boucherie Mendes e logo na primeira resposta que dá o sr. diz o seguinte: "Só num país de atrasados mentais, como é Portugal, bla, bla, bla...". Xiça!! Este gajo deve achar que é a última coca-cola do deserto!! Irritam-me estas pessoas que passam a vida a dizer mal de Portugal e dos portugueses. Se acham Portugal assim tão mau, têm 2 hipoteses: ou vão embora, chatear outros ou façam algo p mudar o que está mal. Agora andar a mandar postas de pescada só para serem radicais e polémicos... por favor! Este sr. esqueceu-se por acaso que é poruguês? Assim, tb é atrasado mental, boa??

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Já não posso com o Cristiano Ronaldo

Bem sei que este post vai gerar controvérsia por ser contra a veneração massiva do ídolo de milhões de pessoas, mas já não consigo ver a toda a hora e em todo o lado o raio do miúdo. Seja a dizer que joga, que não joga, que anda com esta, que anda com aquela, que gastou x nisto ou naquilo… já não há paciência!

Ainda agora está em letras garrafais e com um destaque enorme no Expresso Online que o mocinho andou a cantar no filme publicitário do BES. E? O que é que é que isso contribui para a felicidade dos comuns mortais? Todos os dias há inúmeras figuras públicas a fazerem qualquer coisa num filme publicitário e não aparecem com grande destaque na comunicação social.

Confesso que não entendo a fixação do grupo Impresa pelo Cristiano Ronaldo, quer dizer… perceber até percebo, tem a ver com Euros, mas cansa um bocadinho não? É CR nos noticiários (desde quando fazer um anúncio é motivo para aparecer num noticiário), nos programas de tv, nos sites… O dito não pode dar um pum que vira notícia nacional! Xiça! Deixem o gajo em paz e poupem-nos os ouvidinhos e os olhinhos.

terça-feira, 13 de outubro de 2009

O drama dos detectores de movimento nos Wc’s femininos

Ora aí está uma modernice muito económica e ecológica que veio infernizar (um pouco mais) a vida das mulheres.

Para uma mulher, ir a um WC público é sempre uma aventura! Há sempre a expectativa de saber se tem ou não papel (normalmente a resposta é não), depois temos que nos colocar numa posição altamente confortável para evitar sentar-nos na sanita, um verdadeiro teste ao equilíbrio e às capacidades musculares da bela pernoca. Se a isto tudo juntarmos o facto de alguns WC’s não possuírem cabide ou qualquer local onde se possa pendurar a mala ou o casaco ou algum saco que eventualmente possamos transportar (sim, as mulheres andam sempre com a casa às costas), a coisa complica-se e estamos mesmo a roçar o estado de sofrimento.

Ora, como se não bastasse, ainda foram inventar esse belo objecto, o detector de movimento, que apaga a luz quando está tudo muito quietinho. Estão a ver o filme: a bela posição muito confortável, a mala, casaco e eventual saco num braço e o outro a mexer como se não houvesse amanhã para a luz não apagar! Digno de uma foto!

Há dias fui a um cafezito que tinha um destes detectores e os donos do dito estabelecimento são tão poupadinhos e tão ecológicos que programaram o detector para apagar a luz ao fim de 5 segundos sem movimento. Por momentos achei que estava na Disco-night em cima da coluna com o braço a abanar ininterruptamente (não que ande em cima da coluna com as calças nos joelhos, mas pela luz sempre a acender e a apagar). Quando finalmente acabei o que estava a fazer, reparo num autocolante em cima do autoclismo onde estava escrito à mão: “Para evitar que a luz apague, abane as mamocas!”

Espertinhos os senhores do café! Na volta tinham lá uma câmera! LOL

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

E um bocadinho de bom-senso? Não?

Na sexta-feira fui a uma Farmácia pela primeira vez (ok, não fui a uma Farmácia pela primeira vez, mas fui aquela Farmácia pela primeira vez) e quando entrei não reparei que tinha uma máquina de senhas. Estavam duas pessoas a ser atendidas e eu estava sozinha à espera. Passado pouco tempo chegou uma mulher jovem e tirou uma senha. Nessa altura reparei na máquina e revolvi tirar uma para o caso de chegar mais gente ou de a farmacêutica exigir a senha e se gerar a confusão. O cliente que estava a ser atendido saiu e eu avancei (a farmacêutica não chamou a senha) e assim que faço o meu pedido ouço a tal senhora que tinha chegado depois de mim mas que tinha a senha antes da minha dizer: “Eu estou primeiro!”. Não queria acreditar no que estava a ouvir! A dita senhora chegou depois de mim e queria passar-me à frente porque eu não tinha tirado a senha? Eu compreendo que as máquinas das senhas estão lá para alguma coisa e, se estivesse mais gente à espera ou se a farmacêutica tivesse chamado a senha, eu nem tinha avançado e esperaria pelo meu numero para não criar conflitos, mas naquele caso éramos a únicas duas clientes e eu não ia comprar a Farmácia inteira a ponto de atrasar a senhora para os seus afazeres! Escusado será dizer que a farmacêutica nem lhe deu importância e continuou a atender-me mas o que é digno de registo aqui é a falta de flexibilidade de algumas pessoas e a propensão para arranjar confusão, talvez uma forma de se libertarem de algum tipo de frustração das suas vidas!

Mas os encontros imediatos com pessoas alteradas não ficam por aqui…

Hoje, cheguei ao escritório e, como sempre, digo “Bom Dia” a todas as pessoas com quem me cruzo até chegar à minha cela (nome carinhoso pelo qual chamo a minha sala). A segunda pessoa a ser agraciada por tal cumprimento é, habitualmente, a telefonista e hoje não foi excepção. Disse-lhe “Bom Dia”, a senhora respondeu mas quando seguia alegremente o meu caminho, ouço nas minhas costas com um ar super agressivo: “Então? Nem me responde?”. Parei, voltei-me meia em choque e disse: “Desculpe?!”. Resumindo, a senhora não ouviu o meu “Bom Dia” e assumiu que eu não a tinha cumprimentado, nem me deu o benefício da dúvida e começou a disparatar como se não houvesse amanhã. Eu expliquei-lhe que a tinha cumprimentado, antes dela o fazer e que ela me respondeu e eu segui viagem. Quando cheguei à cela a senhora liga-me a pedir muitas desculpas pela forma como tinha falado comigo mas que não tinha ouvido o meu “Bom Dia”. Claro que não fiquei chateada nem irritada com a senhora, há coisas bem mais importantes para me preocupar, mas que tal parar um pouco para pensar antes de começar a mandar vir? Dar o benefício da dúvida, nem lhe passou pela cabeça que pudesse ter sido ela que não ouviu…

É só gente doida e stressada!! :)

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Esta perdeu uma boa oportunidade de estar calada!

A D. Elisa Ferreira (Candidata à Câmara do Porto) é uma figura muito interessante do ponto de vista de ser uma séria candidata a ter um post-zito no meu blog. Andei a adiar, mas vi algo no Expresso que me fez pensar: é hoje!

Não sei muito bem quando nem onde, mas a dita senhora teve a seguinte tirada: "Rui Rio tem o apoio de 6 milhões de benfiquistas.". Confesso que tive que parar para pensar pois fiquei um bocadinho atordoada com tamanha estupidez. Então não estamos a falar de eleições autárquicas? Será que ninguém explicou à senhora que para a Câmara do Porto só votam os eleitores recenseados naquela área geográfica? Ela acha que tem 6 milhões de benfiquistas no Porto? Bem, o Pinto da Costa tinha um xelique!!

Bom, que a D. Elisa é um bocado baralhada, eu já desconfiava, pois ela não sabe muito bem se quer ser deputada no Parlamento Europeu ou Presidente da Câmara do Porto, por isso concorre às duas, com algum tacho há-de ficar, mas podia ter um assessor que não permitisse que ela dissesse tamanhas barbaridades para justificar a sua não eleição.

Enfim, e andamos nós a ser governados por estes seres iluminados!!

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

A Greve dos Pilotos da TAP

Ontem recebi este e-mail, enviado por uma funcionária da TAP e que espelha o sentimento dos restantes trabalhadores da empresa perante esta greve:


Sou funcionária da TAP Portugal. Como é do conhecimento geral, estamos numa situação delicada, muito por culpa de uma crise que não conseguimos controlar.
A admissão de novos colaboradores é uma realidade a evitar. Assim sendo, os recursos humanos da TAP estão sobrecarregados. A política da empresa, nesta fase, passa por atribuir projectos/responsabilidades a pessoas que já possuem carga de trabalho excessiva e é habitual ver os colegas a sair fora do seu horário de expediente, exaustos, sem receberem mais por isso. No dia seguinte estão novamente no escritório a repetir o ciclo sem ver um vislumbre de compensação financeira. As assistentes de bordo recebem “X” adicionais cada vez que se levantam da cama para fazer um voo. Pessoalmente recebo uma palmada nas costas por ter conseguido chegar a horas, dinheiro: nem vê-lo.
A responsabilidade também não se reflecte no salário mensal. Uma pessoa responsável por assegurar uma área de milhões de euros acaba por receber menos que uma mera assistente de bordo. Acreditem quando digo que existem assistentes de bordo a receberem mais 400% do que uma pessoa que está a trabalhar nesta companhia há 20 anos. Alguns dos comandantes que vêm agora reclamar melhores condições salariais recebem mensalmente o que, pessoalmente, ganho num ano. E digo alguns porque a restante maioria precisa de 3 meses para chegar ao meu salário anual.
Com isto não venho reclamar da legitimidade do pedido de aumento salarial por parte do pessoal navegante de cabine, PNC. O que reclamo é a falta de oportunidade, a falta de respeito dos PNC pelos colegas de terra quando reclamam mais dinheiro, a ganância cega na qual preferem levar a companhia à falência desde que lhes encham os bolsos, a desconsideração pelos passageiros que confiam na TAP para voar. Se a TAP entrar em processo de falência não sei que aviões estão a planear operar. Talvez, desempregados, consigam perceber que o que ganhavam dava para aguentar até uma melhor oportunidade para reivindicar os seus alegados direitos.
Este email é uma espécie de “greve à greve dos pilotos”. É meramente simbólica porque embora me sinta “mal paga” acabo por vir trabalhar todos os dias para tentar levar a NOSSA companhia em frente. É simbólica porque o confronto directo com o pessoal de elite da TAP é algo que nos prejudica dentro da empresa e ai de quem lhes tente pedir alguma contenção nestas horas.
Não aguento mais ver esta empresa assim. Uns puxam para o lado, outros para outro. O pessoal de terra sente-se confortável com esta situação? Claro que não estamos satisfeitos por não sermos reconhecidos pelo nosso mérito. O dinheiro dá jeito a toda a gente. Não sou hipócrita. Mas se estamos calados é porque sabemos que a crise não é uma “história da carochinha” contada pelo Administrador. A taxa de esforço e a ginástica financeira custa a todos. Mas acho preferível lutar pela empresa do que sangrar a empresa lentamente até à morte com greves.
Mostrem insatisfação se a sentem! Mas por favor deixem em paz a sustentabilidade financeira da empresa. Já chega! DEIXEM-NOS TRABALHAR
!


Não posso estar mais de acordo com o que esta senhora diz. Esta greve é vergonhosa e por muito que o Sindicato dos Pilotos nos tente convencer do contrário é praticamente impossível ser solidário e partilhar do mesmo pensamento de um bando de meninos (e meninas) mimados que já têm mais do que qualquer outro coleguinha do jardim de infância e mesmo assim querem mais.

Bem sei que devemos lutar pelos nossos direitos e não deixar que nos tirem aquilo que já conquistámos, mas há que tirar os olhos do umbigo e perceber a melhor altura para fazer essas reivindicações e, claramente, esta não é a melhor altura.

Sei também que estes senhores passam muito tempo no ar e talvez esse facto lhes tenha tirado a capacidade de ver a realidade em que vivemos. É que é preciso ter muita lata para vir pedir aumentos a esta altura do campeonato, quando todos os dias o número de desempregados aumenta, quando as empresas andam com a corda no pescoço (especialmente a TAP) e quando é pedido a todos os colaboradores que façam um pequeno esforço para não haver despedimentos.

É interessante ver o tamanho do egoísmo das pessoas que levam adiante esta greve sabendo das consequências que a mesma pode ter dentro da empresa, sabendo que pode colocar postos de trabalho de pessoas que (sobre)vivem com um rendimento muito inferior ao deles mas que vestem a camisola e dão todos os dias o litro para melhorar a situação da empresa e conseguir manter o seu emprego. Já para não falar dos milhares de passageiros afectados, que para além de perderem tempo e dinheiro, e com certeza, grande parte deles, aufere rendimentos bem inferiores ao dos pilotos, ficam insatisfeitos com a empresa e no futuro podem não voltar a voar em voos da TAP, fazendo com que esta perca clientes e, consequentemente, receitas.

Não digo que o Sindicato dos Pilotos não tenha razão, simplesmente o timing escolhido para esta greve não foi o melhor. A situação da empresa, do País, do Mundo, é delicada, há pessoas a lutar por manter os seus postos de trabalho em empresas que evitam a todo custo fechar, e estes senhores reivindicam mais regalias, quando já são grandes privilegiados.

Meus senhores, tirem as palas dos olhos, e vejam o que se passa à vossa volta, vão trabalhar, ajudem a vossa empresa a enfrentar a crise e quando a situação melhorar e houver condições, reivindiquem essas coisas todas!